Home / Acervo Botânico / Abutilon megapotamicum, Sininho

Abutilon megapotamicum, Sininho

Abutilon megapotamicum

Abutilon megapotamicum, o sininho, pode ser plantada como arbusto ou como planta pendente em vasos suspensos.

Dados Botânicos

Nome CientíficoAbutilon megapotamicum (Spreng.) A. St.-Hil. & Naud.;

Sin: Abutilon vexillarium Morr.; Nome popular: lanterna-chinesa, sininho, chapéu-de-cardeal, lanterninha-japonesa; Família: Malvaceae; Ocorrência: Antioquia (Colombia), Bolívia e América Central. Alguns autores, como H. Lorenzi (ver Referências) aponta o Brasil como origem dessa planta); Ciclo de vida: Perene; Luminosidade: Sol pleno e Meia-sombra; Irrigação: Uma a duas vezes por semana; Clima: Tropical; Floração: Primavera e verão, principalmente; Dificuldade: Baixa.

 

A alcunha popular sininho, ou ainda lanterninha-chinesa, se deve ao formato da flor, cujo cálice, de coloração avermelhada, tem formato de globo, deixando cair, a partir dele, as pétalas amarelas como se fosse a própria luz da lanterna. Essa característica, aliada a grande quantidades de flores que um mesmo arbusto é capaz de emitir, faz com que em conjunto, o Abutilon megapotamicum pareça mesmo um festival de lanternas chinesas.

O nome lanterna-chinesa, no entanto, não lhe é exclusivo, sendo empregado também a outras espécies da família das Malvaceae, como a Abutilon striatum, e a Abutilon darwinii Hook. f., ambas nativas do Brasil.

Quanto a ocorrência da Abutilon megapotamicum, ou lanterninha-chinesa, que aqui apresentamos, as fontes são controversas. Até bem pouco tempo, figurávamos aqui o Brasil como origem dessa planta, conforme o que diz H. Lorenzi, em seu Plantas Ornamentais no Brasil, 4. ed. O site Tropicos.org, referência mundial para os botânicos, assinala a faixa que se estende desde a América Central, até a Bolívia, passando pela Colômbia, como zona originária. 

Esse arbusto semi-lenhoso, de ramificação escandente (i. e. que busca sustentação em outra planta), podendo atingir até 3 metros de altura. A folhagem é serrilhada, normalmente de coloração verde, ocorrendo também a forma variegada. As flores são amarelas, com o cálice vermelho, em formato de lanterna, sempre pendentes.

A sininho é da mesma família dos hibiscos e malvaviscos.

As flores do Abutilon megapotamicum são comestíveis como, aliás, ocorre com boa parte da família Malvaceae. Informações a respeito podem ser obtidas nos sites da Plants for a future no verbete sobre a planta, e em Eat the weed, post sobre diversas espécies do gênero abutilon. As mudas podem ser obtidas através de estaca, feita ao final do inverno e enraizadas em estufa. 

Cuidados básicos e adubação

O plantio pode ser feito em vasos e jardineiras ou em canteiros, preparados com terra drenável e mantida úmida com regas a intervalos regulares. A adubação pode ser feita uma vez por ano, utilizando-se composto ou NPK 10-10-10.

A multiplicação pode ser feita por estacas preparadas ao final do inverno.

Abutilon megapotamicum no paisagismo

Utilizado principalmente como planta pendente, pode servir como cerca-viva desde que apoiada em cerca pré-existente. 


Arte Botânica

Imagens retiradas do http://www.plantillustrations.org

 


Referências e links interessantes

Eat the weeds

Plants for the future

Plantas Ornamentais no Brasil livro de Hari Lorenzi e Hermes Moreira de Souza. Clique no link para ir a livraria cultura.

About Frederico Teixeira Gorski

Frederico Teixeira Gorski é bacharel em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina. Estudou Teatro na Universidade Estadual de Santa Catarina e iniciou seus estudos em paisagismo com a professora Jane Pilotto, no curso Paisagismo Ecológico. Desde a Psicologia, interessou-se pelo estudo do Espaço Urbano. Em 2011, criou a primeira versão do Jardim de Calatéia como blog, com a intenção de transformá-lo em um portal que reunisse artigos que abrangessem desde a Arquitetura Paisagística, até o estudo botânico, passando pelas artes visuais.