Home / Acervo Botânico / Arundina graminifolia, Orquídea Bambu

Arundina graminifolia, Orquídea Bambu

arundina graminifolia, orquidea bambú

São duas as variedades de Arundina. Rósea, como a da foto, e branca.

Dados Botânicos

Nome CientíficoArundina graminifolia(D. Don) Hochr;

Nome popular: Orquídea bambu;

Família: Orchidaceae;

Ocorrência: Ásia tropical

Ciclo de vida: Perene;

Luminosidade: Sol pleno;

Irrigação: regular, 2 a 3 vezes por semana, o solo deve ser mantido úmido, sem encharcar;
Clima: Tropical e subtropical;

Floração:Primavera e verão, principalmente;

Dificuldade: Baixa.

Uma das poucas espécies de orquídea terrestre amplamente comercializada, a Arundina graminifolia destaca-se pela capacidade de se adaptar a diversas situações paisagísticas. Podendo alcançar até dois metros de alturas, é utilizada tanto como cerca-viva quanto em conjuntos isolados, a beira de espelhos d\’água, ou, ainda, em jardineiras adornando a entrada da casa ou estabelecimento comercial. Sendo planta de fácil manutenção, conquistou o gosto popular. É muito comum encontrá-la acompanhando muros residenciais ou servindo de cortina viva para a varanda de restaurantes.

O porte incomum, o crescimento rápido e sua popularidade talvez sejam alguns dos motivos porque essa orquídea ao mesmo tempo vigorosa e delicada não tenha conquistado o gosto dos colecionadores. Com folhagens também ornamentais, no entanto, pode ser classificada entre aquelas poucas plantas cuja escolha quase sempre se mostra acertada.

São duas as variedades existentes. A de coloração rósea, cujas pétalas e sépalas podem ser brancas, e a branca, com uniformidade de sépalas, pétalas e lóbulo central, em que apenas apenas a coluna central assume um tom amarelado.

Cultivo e reprodução

Por se tratar de uma espécie tropical, sua manutenção é fácil na maior parte do território nacional. Ainda assim, alguns cuidados se fazem necessários. São dois os fatores mais importantes para uma orquídea saudável:

  • Iluminação;
  • umidade do solo;

Basta observar por aí e comparar. A incidência deve variar da meia-sombra (luz direta durante pelo menos metade do dia) e sol pleno. O solo deve ser mantido úmido sem enxarcar.

Quanto ao solo, deve conter muita matéria orgânica. Substratos comuns para orquídeas epífitas não se aplicam. O ideal é uma mistura de terra arenosa e húmus, que seja drenável e retenha, ao mesmo tempo, alguma umidade. Durante o verão, as regas devem ser mais regulares, tornando-se mais esparsadas no inverno (uma ou duas vezes por semanas).

Se esses cuidados forem observados, a folhagem da orquídea bambu se torna mais vigorosa e interessante, evitando o ressecamento precoce da base.

A reprodução se dá facilmente por estaquia, a partir das estacas ponteiros que surgem após a floração. Se a reprodução não lhe interessar, não retire as estacas da planta mãe, que vai se manter erege até a floração das ponteiros.

Arundina graminifolia no paisagismo

Ideal para cultivo a pleno sol, essa orquídea é comumente utilizada como cerca viva, ao longo de muros e para formação de conjuntos a beira de espelhos d\’água.

Arte botânica

Referências

Orquidário cuiabá

EOL.ORG

Hawaiian Ecosystems at Risk Projects (pdf)

 

About Frederico Teixeira Gorski

Frederico Teixeira Gorski é bacharel em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina. Estudou Teatro na Universidade Estadual de Santa Catarina e iniciou seus estudos em paisagismo com a professora Jane Pilotto, no curso Paisagismo Ecológico. Desde a Psicologia, interessou-se pelo estudo do Espaço Urbano. Em 2011, criou a primeira versão do Jardim de Calatéia como blog, com a intenção de transformá-lo em um portal que reunisse artigos que abrangessem desde a Arquitetura Paisagística, até o estudo botânico, passando pelas artes visuais.