Home / Acervo Botânico / Cordyline terminalis, Dracena vermelha

Cordyline terminalis, Dracena vermelha

laxmaniaceae, dracena vermelha, cordyline terminalis

Da família Lamiaceae, a mesma do manjericão, a Dracena vermelha é a única cultivada no Brasil exclusivamente para uso ornamental.

 

Dados Botânicos

Nome CientíficoCordyline terminalis (L.) Kunth. ;

Sin.: Asparagus terminalis L.;

Nome popular: dracena vermelha, cordiline, coqueiro-de-vênus;

Família: Laxmaniaceae.

Ocorrência: Índia, Malásia e polinésia

Ciclo de vida: Perene;

Luminosidade: Sol pleno, Meia-sombra;

Irrigação: Periódica;

Clima: Tropical e subtropical, tolera frio.

Floração: ano inteiro.

Dificuldade: Baixa.

Praticamente a única espécie da família das Laxmaniaceae cultivada no Brasil com fins ornamentais, a Cordyline terminalis (L.) Kunth. é um arbusto com folhagens ornamentais cuja coloração varia desde tonalidades róseas até verdes, quase sempre variegadas. É tão popular no paisagismo brasileiro, que é considerada uma espécie subespontânea, tendo sido incluída na famosa Flora Brasiliensis, de Von Martius. As inflorescências são longas e terminais, normalmente consideradas de menor importância ornamental. 

Essa espécie foi erroneamente associada no passado às Dracenas, da família Ruscaceae. Com efeito, ambas estiveram anteriormente agrupadas entre as Liliaceae e, atualmente, a própria Dracena-vermelha aqui retratada tem sua mudança para a família das Aparagaceae, à qual todas as Laxmaniaceae serão adicionadas como subfamílias, estudada.

Na mitologia polinésia, essa planta é possui diversos significados. Conhecida como “Hawaiian ti-plant”, em inglês, acredita-se que o plantio da espécie em volta da casa é capaz de protegê-la das lavas de um vulcão. As raízes também são utilizadas para fazer chá e as folhas são utilizadas na culinária com recheios variados. A essa comida dá-se o nome lau-lau – a palavra “lau” quer dizer, folha, no idioma havaiano. 

Cuidados básicos e adubação

A dracena-vermelha é uma planta que exige poucos cuidados, podendo ser plantada tanto à meia-sombra quanto sob sol pleno, desde que o solo seja mantido úmido, com boa drenagem e rico em matéria orgânica. A adubação deve ser feita anualmente, nos meses mais frios. 

A reprodução é feita por estaquia, embora se disperse com relativa facilidade por sementes no território nacional. 

Tolera o frio.

Dracena vermelha no paisagismo

Ideal para a composição de conjuntos desenhados ou em fileiras junto a muros e paredes. Não tem o vigor de uma dracena verdadeira para ser cultivada como planta isolada. As folhas, normalmente variegadas, permite o plantio de tonalidades distintas: por exemplo, folhas verdes com bordas verme-lho escuro com outras de tonalidade róseo-avermelhadas. De toda forma, é bom não exagerar nas combinações e, preferencialmente, compor um desenho no plantio ao invés de fileiras.


Arte Botânica

Imagens retiradas do http://www.plantillustrations.org

 


Referências e links interessantes

Ti plant

Dave\’s Garden

Jardim das Idéias

Plantas Ornamentais no Brasil livro de Hari Lorenzi e Hermes Moreira de Souza. Clique no link para ir a livraria cultura.

About Frederico Teixeira Gorski

Frederico Teixeira Gorski é bacharel em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina. Estudou Teatro na Universidade Estadual de Santa Catarina e iniciou seus estudos em paisagismo com a professora Jane Pilotto, no curso Paisagismo Ecológico. Desde a Psicologia, interessou-se pelo estudo do Espaço Urbano. Em 2011, criou a primeira versão do Jardim de Calatéia como blog, com a intenção de transformá-lo em um portal que reunisse artigos que abrangessem desde a Arquitetura Paisagística, até o estudo botânico, passando pelas artes visuais.