Home / Acervo Botânico / Habranthus robustus, lírio-do-vento

Habranthus robustus, lírio-do-vento

Habranthus robustus, lírio-do-vento

Lírio-do-vento, ou ainda flor de zéfiro, é comum no litoral sul do Brasil e floresce apenas uma vez por ano. Arquivo Jardim de Calatéia

Dados Botânicos

Nome CientíficoHabranthus robustus Herb ex. Sweet;

Sin.: Zephyranthes robusta Baker;

Nome popular: Lírio-do-vento, lírio de zéfiro, lírio da praia;

Família: Amaryllidaceae;

Ocorrência: Sul do Brasil

Ciclo de vida: Anual

Luminosidade: Sol Pleno;

Irrigação: regular, 2 a 3 vezes por semana, o solo deve ser mantido úmido, sem encharcar;

Temperatura: Tropical e subtropical, não tolera geadas;

Floração: Verão, principalmente.

Dificuldade: Baixa.

Muito comum no litoral sul brasileiro, em terrenos descampados ou em formações de dunas, o lírio-do-vento é uma pequena planta bulbosa que, durante os meses mais quentes, dá um verdadeiro espetáculo nos terrenos em que abunda. Avistei-a mais de uma vez estendendo flores branco-lilases na encosta que separa a praia do Gravatá da Joaquina, em Florianópolis. Com folhas lanceoladas, semelhantes a da cebola, só que menos carnudas e normalmente mais compridas, confunde-se facilmente ao capim se não está em floração. O bulbo também parece muito com a cebola (obovado) e as flores formam-se a partir de uma haste, como nos Amarílis e Hippeastrum. Normalmente, dá uma ou duas flores por planta, com duração não muito superior a uma semana. O fruto é globoso, identico ao do Amarílis, e, quando seco, libera as sementes que germinam facilmente quando em contato com a água.

Certa feita, quando visitava minha irmã e meu cunhado, passeando pelo terreno deles, vi umas folhas lanceoladas erguendo uma haste com pequenos frutos junto a uma goiabeira. Como eles estivessem para roçar o terreno, pedi logo uma pequena pá e cavei em volta conforme intuí fosse a raíz da planta. Juntei-a num vaso e, como não tinha como levá-la, deixei a planta aos cuidados dos dois. Passado mais ou menos um ano, no dia 10 de janeiro, minha irmã apareceu com ela de presente, que dava uma flor ainda mais bonita e vistosa do que normalmente se vê por aí, na praia. Era o aniversário de minha mãe, que foi quem recebeu a flor. É essa mesma planta que vocês vêem na foto. Se fosse o tempo da fotografia com filme, teria gastado um rolo a fotografá-la. Até no murchar das flores ela deu espetáculo, recurvando as pétalas desfalecidas como estivessem ao vento. Tanta intimidade com essa força da natureza deve ter sido o motivo de suas alcunhas populares e científicas. Zéfiro, como sabem, era o nome dado ao vento oeste na mitologia grega. Daí lírio-de-zéfiro e a sinonímia científica: Zephyranthes robusta.

Cuidados básicos e adubação

Embora pouco exigente quanto ao solo, prefere terrenos ricos em matéria orgânica e com excelente drenagem. A irrigação deve ser mais intensa nos meses que precedem a floração e diminuir até a escassez nos meses de inverno, quando o bulbo iberna.

Lírio-do-vento no paisagismo

É pouco utilizada no paisagismo. O que, aliás, é uma pensa, tendo em vista a facilidade de cultivo já que é planta nativa. É ideal para compor vasos e jardineiras ou, a maneira de outras plantas bulbosas, para atuar como “elemento surpresa” em pequenos canteiros cercando elementos mais altos ou por entre folhagem de pequeno porte.


Arte Botânica

lu mori, habranthus robustus

Ilustração de Lu Mori para a série Diário de Estudos Botânicos

 


Referências e links interessantes

Flora de Santa Catarina

Wikipedia (em inglês)

Flora digital do Rio Grande do Sul

About Frederico Teixeira Gorski

Frederico Teixeira Gorski é bacharel em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina. Estudou Teatro na Universidade Estadual de Santa Catarina e iniciou seus estudos em paisagismo com a professora Jane Pilotto, no curso Paisagismo Ecológico. Desde a Psicologia, interessou-se pelo estudo do Espaço Urbano. Em 2011, criou a primeira versão do Jardim de Calatéia como blog, com a intenção de transformá-lo em um portal que reunisse artigos que abrangessem desde a Arquitetura Paisagística, até o estudo botânico, passando pelas artes visuais.