Home / Acervo Botânico / Heliconia psittacorum, Heliconia Papagaio

Heliconia psittacorum, Heliconia Papagaio

 

Heliconia psittacorum, heliconia-papagaio

Heliconia psittacorum. Primeira florada, ainda em 2012.

Dados Botânicos

Nome CientíficoHeliconia psittacorum L. f.;

Nome popular: helicônia-papagaio, tracoá, caetezinho, planta-papagaio;

Família: Heliconiaceae;

Ocorrência: Brasil;

Ciclo de vida: Perene;

Luminosidade: Pleno-sol e Meia-sombra;

Irrigação: 2 a 3 vezes por semana, o solo deve ser mantido úmido;

Clima: Tropical.

Floração: Primavera e verão, principalmente.

Dificuldade: Baixa.

“Pelas musas heliconíades comecemos a cantar/ elas têm grande e divino o monte Hélicon”. (Hesíodo, A origem dos deuses)

Herbácea rizomatosa, muito utilizada no paisagismo tropical, a Heliconia psittacorum L. f. é uma espécie brasileira da família das Heliconiaceae com folhagem ornamental muito semelhante a das bananeiras. A inflorescência é muito utilizada como flor de corte, e é formada por brácteas vermelhas que se abrem em forma de barco, pétalas alaranjadas com detalhe verde e branco na ponta. Pode chegar até 2,0 metros de altura.

As heliconias estiveram até bem pouco tempo agrupadas junto às bananeiras na família das Musaceae. Com efeito, muitas espécies dessa família, não apenas possuem folhas muito semelhantes, como também são assim chamadas popularmente. É o caso, por exemplo, da Heliconia hirsuta L. f., cuja alcunha popular é banana-de-macaco, embora não dê banana, nem seja exatamente apreciada por esses animais. 

Também é comum dar as plantas dessa família, especialmente as do gênero heliconia, o nome de falsa-ave-do-paraíso, em alusão a Strelitzia reginae Aiton. O que foi dito sobre as heliconias e as bananas, vale para a familia das Strelitziaceae. 

A esse respeito, por sinal, vale lembrar uma pequena curiosidade. O nome “heliconia” provém da montanha grega de Hélicon, onde, conforme o poema atribuído a Hesíodo, que teria vivido à época de Homero, viviam as musas heliconíades. Os botânicos, certamente notando a beleza de nossas helicônias, não as quiseram separar de seu ramo de origem sem prestar uma homenagem que mantém, sutilmente, o vínculo.

 

Cuidados básicos e adubação

O solo deve ser fértil e irrigado com freqüência (2 a 3 vezes por semana, de forma a mantê-lo úmido). Adapta-se bem a diferentes tipos de solos, mas adapta-se melhor a uma terra rica em matéria orgânica com boa drenagem.

A multiplicação se dá através de sementes (mais difícil e demorada) e por separação de touceiras. Nesse último caso, escolha o período pós-florada, quando aparecem novos brotos no chão e faça a separação da mesma maneira que com as bananeiras.

Heliconia psittacorum L. f. no paisagismo 

Utilizada para compor grupos ou renques em canteiros a pleno sol, podendo ou não acompanhar muros. As flores podem ser utilizadas como flor-de-corte na decoração de ambientes.


Arte Botânica

Imagens retiradas do http://www.plantillustrations.org

 

 


Referências e links interessantes

Encyclopedia of life

 

Biblioteca da Universidade do Havaí

 

Bamboo, succulents and more

 

Portal mundo das flores

 

Plantas Ornamentais no Brasil livro de Hari Lorenzi e Hermes Moreira de Souza. Clique no link para ir a livraria cultura.

 

About Frederico Teixeira Gorski

Frederico Teixeira Gorski é bacharel em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina. Estudou Teatro na Universidade Estadual de Santa Catarina e iniciou seus estudos em paisagismo com a professora Jane Pilotto, no curso Paisagismo Ecológico. Desde a Psicologia, interessou-se pelo estudo do Espaço Urbano. Em 2011, criou a primeira versão do Jardim de Calatéia como blog, com a intenção de transformá-lo em um portal que reunisse artigos que abrangessem desde a Arquitetura Paisagística, até o estudo botânico, passando pelas artes visuais.