Home / Acervo Botânico / Maranta leuconeura var. kerchoveana, Maranta-pena-de-pavão

Maranta leuconeura var. kerchoveana, Maranta-pena-de-pavão

maranta leuconeura var. kerchoveana, maranta-pena-de-pavao

Maranta leuconeura var. kerchoveana, folhas e flor. Acervo Jardim de Calatéia.

Dados Botânicos

Nome CientíficoMaranta leuconeura var. kerchoveana (E. Morren) Petersen;

Nome popular: maranta-pena-de-pavão;

Família: Maranthaceae;

Ocorrência: Brasil;

Ciclo de vida: Perene;

Luminosidade: Meia-sombra;

Irrigação: 3 a 4 vezes por semana no mínimo;

Clima: Tropical e subtropical;

Floração: Primavera e verão, principalmente.

Dificuldade: Média.

Maranta leuconeura é uma herbácea acaule, rizomatosa, de ocorrência na mata-atlântica brasileira. Pode alcançar até 20 cm de altura, e possui uma folhagem muito ornamental. As flores são brancas e de pouca importância para o paisagismo.

Ideal para cultivo em vasos, sempre a meia-sombra, preferencialmente com luz solar indireta. É muito exigente em água. Se o solo for mantido bem úmido, não preciso regá-la todo o dia. É mais indicada para regiões tropicais e sub-tropicais, uma vez que não tolera baixas temperaturas e muito menos a geada.

As folhas são particularmente atrativas pelos desenhos das manchas escuras que se formam na parte central, e pela variação da tonalidade de verde. Sendo planta de pequeno porte, prostrada, é ideal para forração. O solo deve ser rico em matéria orgânica e com capacidade para reter a umidade.

É uma de minhas marantas favoritas e tive até agora um insucesso ao aplicá-la num pequeno jardim para a residência de meus pais. Como não podia fazer a manutenção semanal por lá, descobri depois de algum tempo que estavam padecendo por falta d\’água. Por isso, é desaconselhável utilizá-la como ornamento, seja em vaso ou canteiros como forração, se os compromissos diários impossibilitarem da manutenção necessária.

Não confundir essa espécie com a Maranta bicolor Ker. Gawl., cujos desenhos são quase idênticos. A diferença, nesse caso, está no acinzentado que cobre o centro da folha dessa espécie, enquanto a que apresentamos não tem essa característica.

Cuidados básicos e adubação

Preparar os canteiros com solo bem fértil e com ótima drenagem. Um pequeno erro, aí, pode ser fatal. Falo por experiência, pois uma vez quis melhorar a retenção de água na terra utilizando terra argilosa e o resultado foi desastroso. A utilização desse recurso, quando feita, deve ser bem pequena, na proporção de 3:1 de composto orgânico e areia.

A irrigação deve ser feita diariamente, ou pelo menos a intervalos de no máximo dois dias. A adubação pode ser feita ao menos duas vezes ao ano. 

Maranta leuconeura var. kerchoveana (E. Morren) Petersen no paisagismo 

Pode ser utilizada em canteiros a meia sombra, como forração.  


Arte Botânica

Imagens retiradas do http://www.plantillustrations.org

 


Referências e links interessantes

 

http://christchurchcitylibraries.com/digitalcollection/illustrations/gee/Gee-0196.asp (ilustração)

Plantas Ornamentais no Brasil livro de Hari Lorenzi e Hermes Moreira de Souza. Clique no link para ir a livraria cultura.

Flickr

http://www.flickr.com/photos/flowerfreak/ (Olaf)

http://www.flickr.com/photos/blumenbiene/ (Maja Dunat)

 

About Frederico Teixeira Gorski

Frederico Teixeira Gorski é bacharel em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina. Estudou Teatro na Universidade Estadual de Santa Catarina e iniciou seus estudos em paisagismo com a professora Jane Pilotto, no curso Paisagismo Ecológico. Desde a Psicologia, interessou-se pelo estudo do Espaço Urbano. Em 2011, criou a primeira versão do Jardim de Calatéia como blog, com a intenção de transformá-lo em um portal que reunisse artigos que abrangessem desde a Arquitetura Paisagística, até o estudo botânico, passando pelas artes visuais.