Home / Acervo Botânico / Plectranthus coleoides, Dólar

Plectranthus coleoides, Dólar

plectranto, planta-vela

Detalhe flor e folhas do Plectranthus coleoides Benth. Fotografia de Dagmar Laus.

 

Dados Botânicos

Nome CientíficoPlectranthus coleoides Benth.;

Nome popular: dólar, planta-vela, plectantro

Família: Lamiaceae;

Ocorrência: Índia;

Ciclo de vida: Perene;

Luminosidade: Meia-sombra;

Irrigação: regular (1 ou 2x por semana);

Clima: Tropical e subtropical;

Floração: Verão;

Dificuldade: Baixa.

Da família Lamiaceae (ex Labiatae), a Plectranthus coleoides, ou Dólar, ou ainda planta-vela, é uma planta rasteira de uso paisagístico difundido em vasos e jardineiras como planta pendente. O forte cheiro exalado empresta-lhe a alcunha “planta-incenso”, especialmente nas colonias italianas, onde é utilizada para esse fim, como espanta mosquitos (ver referências). Por se tratar de uma planta de meia-sombra, que se adapta bem ao cultivo em vasos e não necessitar de maiores cuidados, é recomendada para uso em ambientes internos. Quem mora em apartamento e quer animar o ambiente com um toque verde, sem ter que ar

Trata-se de uma herbácea perene de até 20cm de altura, com folhagem densa, assumindo, por vezes, característica variegata. As folhas são dentadas e as flores, branco-leitosas. Tolera baixas temperaturas.

  


Arte Botânica

plectranto, plantas ornamentais, meia sombra

Ilustração botânica Plectranthus coleoides Benth (syn: Plectranthus glabratus Benth.), a partir de Plantgenera.org


Referências

Plantas Ornamentais no Brasil, de Hari Lorenzi.

Etnobotânica em comunidades rurais de origem italiana – CHAVES, A. S. ; ZANI, E. M. Artigo publicado na revista Perspectivas, da Universidade Regional Integrada (URICER), mar/2012

About Frederico Teixeira Gorski

Frederico Teixeira Gorski é bacharel em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina. Estudou Teatro na Universidade Estadual de Santa Catarina e iniciou seus estudos em paisagismo com a professora Jane Pilotto, no curso Paisagismo Ecológico. Desde a Psicologia, interessou-se pelo estudo do Espaço Urbano. Em 2011, criou a primeira versão do Jardim de Calatéia como blog, com a intenção de transformá-lo em um portal que reunisse artigos que abrangessem desde a Arquitetura Paisagística, até o estudo botânico, passando pelas artes visuais.