Home / Arquitetura Paisagística / Bosco Verticale – uma idéia interessante de reflorestamento vertical

Bosco Verticale – uma idéia interessante de reflorestamento vertical

Por indicação de uma amiga, fui atrás de informações sobre um jardim vertical (o edifício Bosco Verticale) em vias de construção por um arquiteto italiano, chamado Stefano Boeri, cujo “chamariz”, como dizia minha avó, é seu conceito de reflorestamento urbano, aproveitamento de água cinza e diminuição do gasto energético através de recursos alternativos, como energia solar e eólica. Com até 176 metros de altura, as torres formarão o maior jardim vertical do mundo, até então.

A maioria dos projetos mais mirabolantes envolvendo esse tipo de cenário raramente prevê, ou raramente têm esse detalhe informado. Trata-se de algo essencial, uma vez que, como vínhamos discutindo aqui no blog, o simples uso de plantas não confere a ninguém o status de ecológico. Florianópolis que o diga, com seus pinos ameaçando a floresta nativa. No caso do Bosco Verticale, pelo que se nota, há uma notável busca por plantas típicas do lugar. Não sei ao certo os detalhes botânicos e sua eficácia como despoluidoras, nem quanto aos efeitos da altitude sobre as espécies. O que se destaca é a prioridade dada as nativas, o que é uma vantagem, sem dúvida.

Ainda assim, eu gostaria de ver menos construções tão, digamos, ostensivas. Por um lado, sim, há um pensamento aparentemente progressista em termos ambientais, mas é, de toda forma, o tipo de coisa que faz desconfiar de ser mera maquiagem para um setor altamente dependente do consumo e do crescimento urbano como o da construção civil.

De toda forma, está aí para discussão. Abaixo, o detalhamento de espécies.

Descrição da vegetação do projeto

[retweet]

About Frederico Teixeira Gorski

Frederico Teixeira Gorski é bacharel em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina. Estudou Teatro na Universidade Estadual de Santa Catarina e iniciou seus estudos em paisagismo com a professora Jane Pilotto, no curso Paisagismo Ecológico. Desde a Psicologia, interessou-se pelo estudo do Espaço Urbano. Em 2011, criou a primeira versão do Jardim de Calatéia como blog, com a intenção de transformá-lo em um portal que reunisse artigos que abrangessem desde a Arquitetura Paisagística, até o estudo botânico, passando pelas artes visuais.