Home / Arquitetura Paisagística / Frederick Olmsted e o surgimento da arquitetura paisagística

Frederick Olmsted e o surgimento da arquitetura paisagística

frederick olmsted, arquitetura paisagística

Foto do site http://www.olmsted.org

Dia 26 de abril marca o aniversário de nascimento de Frederick Law Olmsted, proeminente arquiteto paisagista americano, cuja importância vai muito além de sua mais conhecida obra, o Central Park, de Nova Iorque. Jornalista por profissão, antes de se tornar o influente projetista de parques. Frederick foi mais do que tudo, um dos maiores conservacionistas americanos, responsável por parques nacionais como o das cataratas do Niagara, entre outros. Sua obra rendeu-lhe, por muito tempo, a fama de inventor do termo “arquitetura paisagística”. Embora isso não seja verdade, sua concepção como desenhista da paisagem foi tão importante, que não seria de todo incorreto dizer que foi ele quem inventou e consolidou a profissão de arquiteto paisagista.

Apesar de sua vasta obra – foi responsável por parques, unidades de conservação, fazendas e até escolas em 28 estados americanos -, seu engajamento como arquiteto se deu de forma tardia, aos 30 anos e sem formação acadêmica. Foram responsáveis por isso, Andrew Jacson Downing e Calvert Vaux, ambos arquitetos. Anos antes, Downing havia vislumbrado a idéia da construção de um parque em Nova Iorque, escrevendo em sua revista, The Horticulturist. Ele introduziu Olmsted a Vaux e, após a morte de Downing, os dois se juntaram para competir com um projeto para a criação do Central Park. Sem formação na área, Olmsted, além de conhecedor da natureza e de ter idéias avançadas sobre o convívio social, era figura proeminente por seus escritos na Guerra Civil Americana, e tinha relações nos círculos políticos. A parceria entre os dois rendeu ainda o Prospect Park, no Brooklyn.

Frederick Olmsted, o paisagismo e a arquitetura paisagística

Com a fama de Frederick, o nome de Calvert Vaux permaneceu na história como o de um colaborador, embora, nesse primeira etapa, tenha provavelmente tido maior importância. Ainda assim, era de Olmsted a visão social e política que impulsionaram esses e outros projetos. Para ele, o acesso a natureza era um direito universal. Como jornalista, ele pode observar a degradação de uma sociedade escravagista e os benefícios do convívio em uma sociedade, ao menos em tese, mais igualitária como a nortista.

Pode até parecer senso comum atualmente, mas basta um passeio pelas capitais brasileiras para que se constate que essa não é exatamente uma premissa que adotamos dos EUA, dentre tantas outra, piores, que adotamos. Vale dizer, no século dezenove, a concepção de arquitetura paisagística estava recém sendo formulada. Tanto assim que a própria invenção do termo gera alguma polêmica.

O sítio Garden Visits discute essa questão e coloca um argumento interessante. Segundo eles, foi em 1804, numa publicação de Jean-Marie Morel, um francês, que surge pela primeira vez escrito “architecte-paysagiste”. Não obstante, um escocês chamado Gilbert Laing Meason empregou “landscape architecture” numa publicação em 1828 (6 anos depois do nascimento de Olmsted). Embora os termos conhecidam, argumenta o site, Meason deve ser considerado o pai da arquitetura paisagística, porque seu conceito é mais acertado do que o de Morel. Meason, de acordo com o Garden Visits, define melhor o espaço urbano, num sentido mais amplo, e o prédio, numa escala menor, como componentes da paisagem, restritos a ela, e não o contrário. É uma discussão que pretendo retomar em outro artigo.

Definições acadêmicas a parte, o importante é notar como Olmsted, consciente ou não dos textos de Meason, empregou o conceito, agregando a ele um valor social e político que pouca gente ainda compreende e segue. Uma concepção, por sinal, que permite delinear uma linha entre o paisagismo, definido como a construção de uma paisagem para ser vista e apreciada por poucos, emoldurada pelo prédio, e a arquitetura paisagística que procura integrar o ambiente construído à paisagem.

Sou tentado a dizer, falta no Brasil mais arquitetos paisagistas, e acho que nossa grande Rosa Kliass concordaria. E você?

Referências:

 

http://en.wikipedia.org/wiki/Frederick_Law_Olmsted

http://landscapeandurbanism.blogspot.com.br/2012/04/happy-birthday-frederick-law-olmsted-sr.html

About Frederico Teixeira Gorski

Frederico Teixeira Gorski é bacharel em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina. Estudou Teatro na Universidade Estadual de Santa Catarina e iniciou seus estudos em paisagismo com a professora Jane Pilotto, no curso Paisagismo Ecológico. Desde a Psicologia, interessou-se pelo estudo do Espaço Urbano. Em 2011, criou a primeira versão do Jardim de Calatéia como blog, com a intenção de transformá-lo em um portal que reunisse artigos que abrangessem desde a Arquitetura Paisagística, até o estudo botânico, passando pelas artes visuais.