Home / Artes / Arte e Paisagem / A (re)ordenação do universo nas mãos de Cornelia Konrads

A (re)ordenação do universo nas mãos de Cornelia Konrads

 Gosto de desafiar o que é “confiável” na realidade: a lei da gravidade, a solidez das paredes ou o solo abaixo de nossos pés… (Cornelia Konrads)

Cornelia Konrads é uma artista alemã que trabalha o site specific buscando a subversão de todas as coisas que parecem já estar bem sedimentadas em nossa percepção. A lei da gravidade, a solidez das paredes, tudo aquilo que, naquela metáfora marxista já bem conhecida, parece sólido, se desmancha no ar pelas mãos da artista.

Os materiais são algo banais, encontram-se aí mesmo no local da instalação, quando não possam ser encontrados muito facilmente em qualquer lugar: pedras, lenhas, galhos, fios de aço. Também há aqueles pouco comuns: uma casa, um estilingue. Com muita perspicácia, Cornelia Konrads subverte a ordem do universo para criar uma arte que, a um só tempo e espaço, pode bem estar falando sobre o surgimento do mundo ou de seu colapso. Depende um pouco do ponto de vista do observador. E pode-se, também, pensar no cinema, ou num still filme. O fato é que Cornelia desafia nossa percepção da paisagem e, de certa maneira, interpreta nossa maneira de ver o universo.

Se você é daquelas pessoas que, com a descoberta da partícula de Higgs, acha que o mistério do universo está finalmente por ser desvendado, e sente-se chateado por isso, talvez encontre aqui algum conforto. Embora, na verdade, conforto não seja a palavra mais apropriada.

About Frederico Teixeira Gorski

Frederico Teixeira Gorski é bacharel em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina. Estudou Teatro na Universidade Estadual de Santa Catarina e iniciou seus estudos em paisagismo com a professora Jane Pilotto, no curso Paisagismo Ecológico. Desde a Psicologia, interessou-se pelo estudo do Espaço Urbano. Em 2011, criou a primeira versão do Jardim de Calatéia como blog, com a intenção de transformá-lo em um portal que reunisse artigos que abrangessem desde a Arquitetura Paisagística, até o estudo botânico, passando pelas artes visuais.