Home / Colaboradores / Orquidário Faísca / Colecionar orquídeas: qualidade x quantidade

Colecionar orquídeas: qualidade x quantidade

Esse texto foi publicado originalmente no Orquidário Faísca
rodriguezia_decora

Rodriguezia decora (Lem.) Rchb. f.1852, ex-libris Orquidário Faísca

Normalmente quem entra no mundo da orquidofilia deseja ter uma grande coleção, contando com várias plantas florescendo o ano inteiro. Muitas vezes temos plantas que não nos atraem muito, motivados apenas pela quantidade. No começo eu pensava mais ou menos assim. Depois de um tempo, percebi o grande erro que isto implica: principalmente no começo, não temos conhecimento para cuidar corretamente de todas e perdemos muitas plantas no caminho.

Por que estou tocando neste assunto? Quando comecei a levar mais a sério este hobby, comprei orquídeas de todos os lugares. Não me importava muito qual, lá estava eu comprando mais plantas. Em casa ainda não tinha construído meu orquidário, então eu as colocava no quintal sob as árvores e em pequenos bancos de madeira. Acredito que perdi algumas mudas ali, e até hoje não sei quais. Não tinha um controle sobre o que entrava em casa e muitas plantas nem o nome eu sabia. De certa forma, me frustra um pouco pois lembro que haviam plantas muito bonitas que acabaram sucumbindo ao meu descaso inicial.

Hoje procuro classificar melhor o que quero ou não, pois admito que não sou fã de todas as espécies que existem. Além disto, procuro manter um registro fotográfico e textual de tudo que envolve cada espécie que tenho. É um trabalho árduo, porém compensador. Tendo um conhecimento melhor sobre nossas espécies podemos prover um melhor habitat para cada uma delas. Tenha isto sempre em mente, quantidade não é tudo. Uma coleção de 10 plantas bem cuidadas e organizadas pode ser muito mais interessante do que uma de 100 plantas largadas em um canto. Com o orquidário construído (fotos abaixo), muitas espécies encontraram um cantinho legal para se desenvolver. Com o laguinho, consigo ter um lado do ambiente mais úmido que o outro, proporcionando uma variação interessante de condições para aquelas mais chatinhas. Claro que há muito o que melhorar, mas ter um lugar específico já é um grande passo.

Tenha sempre em mente que a orquídea não deve apenas sobreviver com você. Ela deve desenvolver-se sadiamente.

Texto adicionado em 16/05/2013 – Como alguns sabem, o orquidário foi desmontado e está sendo reformado, portanto, as fotos abaixo já não representam a realidade aqui de casa. Entretanto, mantenho-as no post para ilustrar como era minha coleção na época que escrevi o texto.

 

About Luis Renato

Cientista da Computação por formação, Mestre em Informática Aplicada por teimosia. Apaixonado por Formula 1, divide seu tempo livre entre seus três passatempos prediletos: orquídeas, aquários e fotografia. Odeia ervilhas. Mantém um blog chamado Orquidário Faísca, onde conta suas peripécias no mundo da orquidofilia.